Maior integração

Com o diagnóstico em mãos, chegou a hora de os diferentes elos da saúde suplementar se unirem para reabilitar o sistema

Diversificação estratégica
Planos odontológicos estão apostando em novos produtos, com coberturas adicionais, para atrair e reter clientes.

Uso racional dos planos
Operadoras e empresários procuram conscientizar os pacientes sobre a necessidade de diminuir os desperdícios.

Situação calamitosa
Assim foi descrita a qualidade da assistência aos idosos no Brasil, pelo entrevistado da vez, o médico Alexandre Kalache.

 

Baixe em PDF.

Visão Saúde

A revista Visão Saúde é a nova publicação editorial da Abramge, do Sinamge e do Sinog. A publicação será trimestral, de circulação nacional com tiragem de 15 mil exemplares.

A nova revista da Abramge, do Sinamge e do Sinog tem a missão de promover o debate sobre questões relevantes para o setor de saúde suplementar no Brasil. O público-alvo são os associados desses órgãos, gestores de saúde e representantes do Poder Judiciário, Legislativo e Executivo.

A Visão Saúde traz uma abordagem jornalística para a produção do conteúdo e busca apurações com profundidade, sempre que necessário, de modo que a percepção de diferentes fontes envolvidas com o tema esteja presente nas matérias. A revista também explora o uso de recursos gráficos e visuais, ao considerar as várias possibilidades de edição a partir de infográficos e ilustrações.

Da definição da pauta à diagramação da matéria, a produção do conteúdo procura também diferentes abordagens para temas recorrentes do setor, de modo que possa aprofundar as informações noticiadas pela mídia em geral ou apenas trazer uma visão ainda não explorada sobre assuntos já veiculados em outras publicações. A visão da Abramge e do Sinog sempre estará presente e explícita, mas haverá um esforço para captar as diferentes percepções do mercado acerca dos temas tratados.

 

Confira outras edições da Visão Saúde

Edição 9

Nesta edição mostramos a opinião de especialistas no mercado consumidor, membros do Poder Público e executivos de operadoras sobre quais os melhores caminhos a se tomar nesse cenário de transformação, em que os mais preparados poderão se beneficiar da expansão da base de clientes. De acordo com o CEO da OdontoPrev, Rodrigo Bacellar, os planos odontológicos podem atingir 30% dos brasileiros daqui a 30 anos.

Baixe em PDF.


Edição 8

O paciente não quer mais apenas o acesso ao hospital ou médico de boa reputação; ele quer que o profissional de saúde converse com ele; que a fila ande mais rápido; que aplicativos facilitem a marcação de consultas e o acompanhamento do seu histórico médico; e que a operadora de plano de saúde organize tudo isso de forma eficiente e transparente. Ele quer, em suma, ser efetivamente cuidado.

Baixe em PDF.


Edição 7

O grande problema sistêmico é que mesmo esses hospitais de excelência são usados de maneira inadequada. Desde os casos de uma simples gripe, que poderiam ser tratados em ambulatórios, até permanências além do tempo necessário em unidades de terapia intensiva, o uso abusivo dos hospitais é a regra do sistema de saúde brasileiro, tanto no atendimento público quanto no privado.

Baixe em PDF.


Edição 6

Nada será como hoje...
Sete executivos da saúde suplementar falam sobre a transformação dos planos de saúde nos próximos cinco anos.
Outra reportagem interessante é a que aborda a importância da segunda opinião médica, mecanismo que confere mais assertividade a diagnósticos e terapias, e evita procedimentos desnecessários e inadequados, dando mais segurança aos pacientes.
Também mostramos um avanço regulatório da ANS, ainda em curso, que permitirá às operadoras exclusivamente odontológicas, participarem do programa de acreditação da agência. Isso contribuirá, a partir da aprovação da nova regulamentação, para a evolução da gestão dessas empresas e dará ao consumidor mais instrumentos para decidir quem contratará.

Baixe em PDF.


Edição 5

Já estamos na era do big data, termo cunhado em 2008 pelo empreendedor de tecnologia Haseeb Budhani para designar a análise de grandes volumes de dados não estruturados, isto é, que não estejam minimamente organizados. Isso somente se tornou possível com o uso de potentes processadores e algoritmos que auxiliam cientistas de dados a chegar a novas conclusões a partir do cruzamento de diversas informações.

Baixe em PDF ou veja no navegador.


Edição 4

Como revela a reportagem de capa desta edição, estudos demonstram que em 80% dos casos em que alguém procura um serviço de saúde, o problema poderia ser resolvido na atenção básica. Sem a necessidade de exames e consultas adicionais, que desperdiçam tempo dos pacientes e recursos dos sistemas de saúde.

Baixe em PDF ou veja no navegador.


Edição 3

A terceira edição aborda o modelo de remuneração praticado no Brasil, bem como, seus reflexos para a (in)sustentabilidade financeira do sistema. Outro tema abordado é a ausência de indicadores de qualidade. Completando a tríade de reportagens, contamos a história de Priscila, brasileira radicada há muitos anos no exterior, mas que não deixa de consultar sua dentista brasileira – mesmo que à distância – para certificar-se de que os tratamentos recomendados a ela são os corretos. Esse é apenas um exemplo de muitos casos de expatriados que sentem falta da confiabilidade e dos preços acessíveis da odontologia nacional.

Baixe em PDF ou veja no navegador.


Edição 2

Nesta segunda edição, o tema é judicialização, uma palavra tão infame que nem aparece nos dicionários. Ainda assim, ela nunca esteve tão na moda. Basta uma espiada no noticiário para constatar. É judicialização da política, dos conflitos trabalhistas, da educação... A lista vai embora. Nenhum desses fenômenos, contudo, rendeu mais notícias nos últimos quatro ou cinco anos que a famigerada judicialização da saúde – tema da reportagem de capa da revista que está em suas mãos.

Baixe em PDF ou veja no navegador.


Edição 1

Nesta primeira edição, a reportagem de capa mostra o que as operadoras estão fazendo para enfrentar a recessão econômica, que deixou mais de 1,6 milhão de pessoas sem planos médico-hospitalares desde o início de 2015 até os dias atuais. Essa crise motivou as empresas a serem mais eficientes na gestão de seus negócios e a oferecerem inovações em produtos e serviços. A expectativa é de que, a partir da retomada da economia, o setor volte ainda mais forte.

Baixe em PDF ou veja no navegador.

Público Alvo

Magistrados;

Confederações e conselhos de medicina e odontologia;

Autoridades das esferas federal, estadual e municipal;

Contratantes de serviços de planos de saúde;

Entidades congêneres;

Operadoras de medicina de grupo, seguros de saúde, cooperativas médicas, autogestões, odontologias de grupo e cooperativas odontológicas;

E demais fornecedores da cadeia da saúde suplementar.

 

Contato

Para obter maiores informações sobre a Visão Saúde entre em contato com nossa área comercial ou com o Sistema Abramge/Sinamge/Sinog:

Área Comercial

Abramge Sinog

(11) 3289.7511

Edinalva Moraes

comercial@visaosaude.com.br

Sistema Abramge/Sinamge/Sinog

Abramge Sinog

(11) 3289.7511

www.abramge.com.br
www.sinamge.com.br
www.sinog.com.br